Empreendedorismo depois da crise: 5 conselhos de CEOs para o pós-coronavírus

Empreendedorismo depois da crise: 5 conselhos de CEOs para o pós-coronavírus

O empreendedorismo depois da crise parece ainda mais desafiador e, para muitos, um caminho improvável. 

De fato, haverá recessão econômica e dificuldades inéditas, além de um mercado totalmente diferente do que conhecemos hoje, com novos hábitos de consumo e modelos de negócio. 

Mas é justamente nesse momento crítico que vamos precisar ainda mais dos empreendedores e suas soluções criativas, que podem resolver os problemas do mundo pós-coronavírus e abrir novas possibilidades no mercado. 

Por isso, em vez de interromper o sonho de comandar seu negócio, essa é a hora de ir em frente e pensar nas oportunidades que o empreendedorismo depois da crise nos reserva. 

Vamos ajudar com estratégias e conselhos de grandes empreendedores que já estão se preparando para o “novo normal”. 

Leia até o fim e inspire-se para seguir com os planos de empreender. 

O que será do empreendedorismo depois da crise?

Pensar no empreendedorismo depois da crise é tão importante quanto enfrentar os desafios do presente.

Mais do que nunca, o mundo vai precisar de empreendedores criativos, determinados e resilientes, capazes de pensar em soluções para os novos problemas e necessidades que vão surgir.

É fato que o fim da pandemia do coronavírus será marcado por uma recessão econômica, mas também por uma mudança profunda nos hábitos de consumo e modelos de negócio.

Nesse cenário, o empreendedorismo terá a função de repensar a geração de valor e identificar oportunidades em um mundo diferente, em que as pessoas trabalham à distância, cuidam mais da saúde e buscam soluções digitais.

Claro que não será fácil, pois as incertezas serão o padrão e os empreendedores terão que navegar pelo desconhecido.

Mas aqueles que conseguirem moldar o mercado e ditar tendências serão os mais bem-sucedidos no empreendedorismo depois da crise.

4 estratégias para o empreendedorismo depois da crise

A consultoria McKinsey preparou o guia “Da sobrevivência à prosperidade: reimaginando o retorno pós-Covid-19”, publicado em maio de 2020, para orientar o empreendedorismo depois da crise. 

O objetivo é ajudar os empreendedores a enfrentar os novos desafios do mercado pós-crise e adaptar o modelo de negócio ao “novo normal”, que será muito diferente do mundo que conhecemos.

Estas são as quatro estratégias recomendadas:

Repensar a geração de receita

Gerar receita no mundo pós-coronavírus será o primeiro desafio dos empreendedores iniciantes e experientes.

Isso significa entender rapidamente as novas necessidades e hábitos dos clientes, pensar em novas soluções (ou adaptar as antigas), direcionar o marketing para o público certo e desenvolver uma nova experiência do consumidor, além de ajustar preços, criar novos canais de venda e distribuição, entre outras ações urgentes.

Reconstruir operações

As operações pré-coronavírus não serão suficientes para a nova realidade, que exige cadeias produtivas muito mais eficientes e modelos de negócio ágeis.

Com a prevalência das vendas online, as empresas terão que reestruturar rapidamente sua logística, regionalizar fornecedores, intensificar as terceirizações e ampliar a automação para ganhar vantagem competitiva.

Reimaginar a organização

As relações, cultura e estrutura das empresas nunca mais serão as mesmas após a Covid-19. 

No auge da crise, ficou claro o que realmente importa para os negócios: líderes e colaboradores atuando por um propósito, foco em resultados, decisões rápidas e descentralizadas, trabalho colaborativo, humanização das relações e eliminação da burocracia.

Todas essas tendências vieram para ficar e vão moldar os novos negócios, padronizando rapidamente as mudanças que antes se limitavam às empresas disruptivas.

Acelerar a transformação digital

A maioria das empresas já estava comprometida com a transformação digital antes da crise, mas será impossível sobreviver sem concluir esse processo no mercado pós-coronavírus.

O trabalho remoto, as vendas online e os serviços digitais serão o “novo normal”, e tecnologias como inteligência artificial, machine learning e Internet of Things farão parte de qualquer estratégia de negócio.

5 conselhos de empreendedores para depois da crise

É mais fácil visualizar o empreendedorismo depois da crise ouvindo a voz da experiência.

Por isso, reunimos dicas e conselhos de empreendedores que estão vencendo o coronavírus e já se preparam para os desafios do mercado pós-crise.

Confira o que eles têm a dizer.

1. Thomas Koulopoulos (Delphi Group): enxergue em longo prazo

Com 30 anos de experiência no empreendedorismo, o CEO da consultoria de liderança Delphi Group, Thomas Koulopoulos, já passou por muitos altos e baixos — mas nunca imaginou nada parecido com a crise do coronavírus.

Em contribuição à Inc. de 2020, ele reconhece a gravidade da pandemia, mas aconselha os novos empreendedores a se manter em movimento e, principalmente, enxergar seu negócio em longo prazo.

“Sei que vocês estão operando no ‘modo crise’, mas tirem algumas horas do dia para pensar estrategicamente no futuro do negócio e construir essa visão desde já.” — afirma Koulopoulos.

Ele ainda usa a Apple como exemplo de superação, lembrando que o Macintosh foi lançado durante uma recessão e o iPod durante a crise histórica das empresas ponto com — e as péssimas circunstâncias não impediram seu sucesso. 

2. Punit Renjen (Deloitte): seja um “market shaper”

Para o CEO da consultoria Deloitte, Punit Renjen, o segredo do empreendedorismo depois da crise está na capacidade de antecipar as profundas mudanças estruturais trazidas pela Covid-19 e liderar as novas estratégias do mercado. 

Em seu guia da liderança resiliente, publicado em 2020, ele destaca a virtualização do trabalho (trabalho remoto) e colaboração à distância como exemplos de tendências que serão aceleradas no pós-crise, e dá o recado aos empreendedores:

“A necessidade de operar de forma diferente dá aos empreendedores uma oportunidade de entender do que são capazes. Nesse cenário, os market shapers — aqueles que moldam o futuro de sua indústria em vez de se adaptar a ela — vão ressurgir mais fortes.

Ou seja: é melhor olhar para o futuro e se tornar o market shaper do seu segmento do que apenas reagir às mudanças. 

3. Ratan Tata (Tata Group): use seu DNA inovador

Na visão do bilionário indiano Ratan Tata, à frente do Tata Group, a inovação será o principal combustível do empreendedorismo depois da crise.

Em entrevista à Business Insider de 2020, ele afirma que os novos empreendedores devem focar na construção de negócios “à prova de desastres”, utilizando seu DNA inovador para encontrar soluções criativas para qualquer problema. 

Ainda que a crise do coronavírus seja atípica e desafiadora, ele recomenda um novo olhar sobre a situação: 

“Em vez de olhar para os problemas que estamos enfrentando, podemos aplicar nossa natureza adaptativa e inovadora para encontrar soluções. Com sorte, olharemos para trás e pensaremos ‘quem bom que esse desafio nos motivou a fazer as coisas de um jeito novo’.” 

Para Tata, esse é o momento de buscar novos modelos de negócios, produtos, serviços e formas de gerar valor que não eram possíveis em outros cenários. 

4. Mark McKee (OnPay): migre para a nuvem

Para Mark McKee, CEO da empresa de pagamentos online OnPay, as crises sempre vão acontecer quando menos esperamos — e sempre haverá empreendedorismo depois da crise.

Em entrevista à Forbes de 2020, ele aponta para a computação em nuvem como solução fundamental para manter a continuidade dos negócios em cenários de extrema instabilidade e incertezas.

As razões são convincentes: a empresa pode operar de qualquer lugar do mundo, com um time 100% remoto e dados seguros na nuvem, além de ter seus processos de backup automáticos e zero risco de interrupções. 

“Nós sempre nos preocupamos em garantir a operação remota da OnPay, pois é nos momentos de emergência que nossos clientes mais precisam de nós”. — completa.

5. Dhiraj Sharma (Simplr): invista em pessoas 

Na opinião de Dhiraj Sharma, CEO da empresa de customer service Simplr, o empreendedorismo depois da crise não será muito diferente da montanha-russa enfrentada pelas startups. 

Em entrevista à Forbes de 2020, ele compara a situação pós-crise com os desafios do ecossistema de inovação, que vão desde mudanças bruscas na equipe até reviravoltas legais e financeiras: “Em um dia, seu negócio é a tendência do momento. No outro,  circunstâncias imprevisíveis (como a Covid-19) atingem sua empresa em cheio e ameaçam tudo o que você construiu.”

A solução, para Sharma, é investir em pessoas e conquistar a confiança da equipe em primeiro lugar, pois eles serão responsáveis por sustentar a empresa durante as crises e recuperá-la rapidamente nas retomadas econômicas. 

“Eu faço tudo o que posso para melhorar o engajamento dos colaboradores. O benefício é recíproco: quando a crise chega, eu não me sinto sozinho lutando contra o mundo. Sinto que meus colegas de equipe estão ao meu lado na batalha.” — finaliza.

Contabilix: ao seu lado no empreendedorismo depois da crise

Para se manter focado e otimista na missão do empreendedorismo depois da crise, você vai precisar de apoio profissional em áreas críticas do negócio como finanças e contabilidade.

Com a plataforma de contabilidade online da Contabilix, será muito mais fácil resolver suas obrigações 100% pela internet, e você ainda poderá contar com nossa equipe de contadores experientes e prontos para tirar suas dúvidas.

Como vimos, a tendência pós-crise é buscar soluções digitais, ágeis e com o mínimo de burocracia: tudo o que a Contabilix oferece para deixar seu negócio em dia e apoiar seu crescimento. Se você pretende empreender, abra seu negócio grátis com a gente — ou troque de contador se já tiver sua empresa.

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *